quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

2009 está chegando! E agora?

Pois bem, neste último post do ano, tive uma notícia, com relação ao DublaTop, que foi muito desagradável, mas não revelarei agora. Tudo tem seu tempo. Um péssimo "último dia de 2008" que eu tive hein?!

Com isso, o "DublaTop" está com um "pé na cova". Ainda não sei o que fazer, mas nos próximos dias, eu vá com mais calma pensar no assunto.

O que importa é que, eu espero e torço muito que 2009 seja MUITO, mas MUITO melhor. Com o mínimo possível de percalços e o máximo de vitórias e êxitos.

Desde já, desejo do fundo de minha alma a todos vocês um Feliz Ano Novo, com muita alegria, vibração, vitórias, dinheiro no bolso, e juízo na cabeça. E curtam muito esse Reveillón. Deixo com vocês a letra e o video do tema de Boas Festas da Rede Manchete, em 1989. Muito bom mesmo, este video foi postado pelo amigo Alessandre Brum Marques, que criou a primeira comunidade sobre a Rede Manchete no Orkut, em 2004. Além desse clipe, uma vinheta de "Boas Festas" das Empresas Bloch e uma mensagem de Natal sobre a Ecologia, onde a menina que entrevista Burle MAx ficou famosa na época ao protagonizar uma reportagem do "Documento Especial". Ela era uma moradora de rua. E aonde estará atualmente? No término do video, o repórter Luiz Carlos Azenha deixa uma mensagem para 1990.

Somos sementes da vida
Que todos sonham viver
Somos do mundo a esperança
Depende só de você
Queremos ser a Manchete
De um novo amanhã
Que a nossa voz traga paz
E que brilhe no mundo
Para sempre
Um sorriso de criança


terça-feira, 30 de dezembro de 2008

"Drácula" - A última trama exibida na Tupi

Amigos, trago para vocês um video raro, postado pelo usuário "egon86" no YouTube: imagens da telenovela "Drácula - Uma História de Amor", a última produção que a extinta TV Tupi levou ao ar.



Escrita pelo renomado crítico de cinema Rubens Ewald Filho (que foi, ao lado de Silvio de Abreu, autor de um dos últimos sucessos da "Pioneira": "Éramos Seis", em 1977) e dirigida por Atílio Riccó, além de estrelada por Rubens de Falco, Carlos Alberto Riccelli e Bruna Lombardi.

Esta trama durou apenas quatro capítulos e foi suspensa logo em seguida, devido à forte crise em que se encontrava a TV Tupi, que obrigou a emissora fechar seu departamento de dramaturgia, tirando o emprego dos 250 profissionais que trabalhavam nesse setor. Além de Drácula, também saiu do ar, a 20 capítulos do desfecho, a telenovela "Como Salvar Meu Casamento". Outra trama, "Maria Nazaré", já tinha 32 cenas gravadas, mas nem chegou a estrear. Mas isso já é um outro assunto.

Voltando à "Drácula", a idéia de fazer uma novela sobre o tema nasceu após o saudoso Walter Avancini, que na época era diretor de dramaturgia da emissora, ouvir sobre o sucesso do personagem de Frank Langella na Broadway. Com a idéia na cabeça, a Tupi em sua fase pré-falência resolveu fazer a novela, e o supervisor Álvaro Moya chamou Rubens Ewald Filho pra escrevê-la. Após vários projetos que não foram adiante na emissora após o grande êxito de "Éramos Seis" em 1977 (ao lado de Silvio de Abreu), enfim Rubens emplacava uma trama e justo na fase mais complicada da televisão pioneira.

A história falava sobre o Conde Drácula, conhecido como Vladimir (Rubens de Falco), que deixa a Transilvânia e vem para o Brasil à procura de seu filho Rafael (Carlos Alberto Ricelli), que havia sido levado pela sua ama Hannah ainda pequeno. Reencontra o filho mas se apaixona pela mulher dele, Mariana (Bruna Lombardi), que acredita ser a reencarnação de seu único amor no passado. E ainda enfrenta a toda poderosa Dona Marta Moura Lacerda (Cleyde Yáconis), numa relação misteriosa.

A novela até poderia ter dado certo, mas Avancini foi demitido da emissora pouco antes de estrear. Dos 10 capítulos escritos, apenas 4 foram ao ar, pois a novela foi suspensa. A emissora entrava em sua derradeira crise, fechando suas portas 5 meses depois, em 18 de julho de 1980. E exatamente quando a novela encontrara outra emissora, a Bandeirantes, para exibir sua história. Desta vez, com o título "Um Homem Muito Especial". Ironia do destino: essa estréia foi em 21 de julho de 1980, três dias após a Tupi encerrar suas atividades.

Rubens Ewald Filho teve de reescrever os 10 primeiros capítulos. Na versão da Bandeirantes, a trama ganhou menos cenários, mais violência e nudez e ainda mais atores. Todo o elenco foi escolhido pelo próprio Avancini. A trama foi gravada na cidade ferroviária de Paranapiacaba, pois lembrava muito a Inglaterra.

ELENCO:
Rubens de Falco - Conde Drácula (Vladimir)
Carlos Alberto Riccelli - Rafael
Bruna Lombardi - Mariana
Cleyde Yáconis - Dona Marta
Isabel Ribeiro - Hannah
Paulo Goulart - Jonathan
Flávio Galvão - Tonico
Paulo Castelli - Fernando
Cláudia Alencar - Alcina
Annamaria Dias
Marcos Plonka
Maria Helena Steiner
Matheus Carrieri - Edu

Agora, faço umas perguntas que não querem calar, e espero que não ofenda ninguém:

Era sabido que a TV Tupi estava em uma gravíssima crise financeira, à beira da falência. Então, por que a direção da emissora, sabendo que os cofres da empresa estavam absolutamente "quebrados", deu permissão para produzir a trama, sem mesmo ter grana para custeá-la? E ainda por cima, por que resolveram fechar o departamento de dramaturgia somente após os quatro capítulos produzidos e exibidos terem ido ao ar, sem chance de continuidade? Um dia, essas respostas surgirão. Quando? Ninguém sabe ainda.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Sonho ou pesadelo? Talvez uma premonição, sei lá.

Tive um sonho (que para botafoguenses como eu, seria um pesadelo), em outubro passado. O Maracanã era o cenário da Final da Taça Rio 2009, entre Botafogo e Bangu. Eu estava no estádio, transmitindo pela Top Webrádio, com a Flávia Saddy nos comentários e o meu amigo Flávio Barbosa na reportagem de campo. Quem vencesse, levaria a Taça Rio e iria para a decisão do Estadual contra o Flamengo, campeão da Taça Guanabara, batendo o Fogão do mesmo jeito que em 2008: 2 a 1, de virada. Agora, no jogo em si, onde alvinegros e bangüenses dividiam o Maracanã, o Botafogo martelou, martelou, martelou, martelou... Mas o gol não saía de jeito nenhum. Só dava Botafogo na peleja toda.

Mas aos 43 do segundo tempo, um fato mudaria a história (caso acontecesse de verdade, seria a maior bizarrice já ocorrida no futebol mundial em todos os tempos, e mais ainda por ser jogo decisivo). Enquanto a Flávia estava comentando sobre a possibilidade da disputa por pênaltis, ela parou para fazer um "Ihhhh!". E eu disparei: "Meu Deus do céu!" O lateral Triguinho (que já foi para o Santos, mas que pode acontecer com qualquer outro atleta botafoguense) recua a bola para o goleiro Castillo chutar para a frente, mas o uruguaio chuta ar, grama, tudo. Menos a bola. Ele errou o tempo da pelota, que foi para o fundo das redes. Silêncio inacreditável no lado da Estrela Solitária no Maracanã. E claro, festa e risadas de zoação e deboche por parte dos alvirrubros e torcedores dos rivais do Fogão (Flamengo, Fluminense e Vasco).

Fim de jogo. O Bangu, que não havia dado nenhum chute a gol sequer, vence por 1 a 0 e fatura a Taça Rio. Após o fim da transmissão, outra Flavia (desta vez, a Fontenelle) chega para mim e fala no sonho: "Pô, Diego! Seu time perde título até pro Bangu. E da forma mais bizarra!" E respondi: "Para você ver que existe aquele ditado 'Há coisas que só acontecem ao Botafogo'. E hoje, fomos testemunhas do maior exemplo disso!"

Enquanto tomava o rumo de casa, acordei. O sonho era tão bizarro que contei para alguns colegas da equipe esportiva da Top. A Flávia Saddy ainda não sabe desse sonho que tive. Eu acho que esse sonho é um aviso do que pode acontecer. Espero (e muito, sendo botafoguense) estar errado, mas nesse sonho, que muitos chamariam de utópico, tive a sensação da "premonição", momentos depois de despertar.

No mais, espero que 2009 seja uma MUITO, mas MUITO melhor para mim e para o meu Botafogo.

sábado, 27 de dezembro de 2008

Lá se vai o Natal. E 2009 nos espera.

Amigos, espero que vocês tenham tido um bom natal. Agora, é só esperar 2009 chegar e desejar que o ano que se aproxima seja bem melhor que 2008, que está acabando.

Depois do fim das aulas do 3º período e da temporada de futebol na Top Webrádio, além do DublaTop, eu também fui desacelerando. Para não ficar parado, dou uma caminhada todos os dias para espairecer a cabeça.

Desde já, deixo os sinceros votos de Feliz 2009 a todos. E lembrando que nos dias 09 e 16/01, teremos os dois últimos programas da Primeira Temporada do DublaTop.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

DublaTop - O último do ano

Amigos, nesta sexta, haverá o último "DublaTop" do ano. Quando tive a idéia de fazer esse programa, nem pensava no que isso iria ser hoje. Após 27 programas, passei a saber bem mais da dublagem do que antes. Esse meio, onde abnegados, mesmo ganhando mal, trazem várias emoções aos espectadores, tornou-se uma "aguardente" para mim. Em virtude de meu orçamento, só poderei entrar numa escola de teatro (para ser dubladora, tem que ser ator registrado) após concluir minha faculdade de jornalismo, da qual entrei, pois também sonho em ser radialista. Acho que já é um bom começo.

Então, estou preparando o último "DublaTop" do ano, que vocês ouvirão nesta sexta, às 20:15, na Top Webrádio.

Até lá.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

São Paulo Tri (ou Hexa, que seja), Vasco na Segundona

E acabou o Brasileirão. Apesar do gol irregular, o São Paulo mereceu o título. Muricy Ramalho têm o time nas mãos, o clube detém a melhor estrutura do futebol brasileira. E o resultado não podia ser outro. Quanto ao Vasco, queda inquestionável. Eurico deixou o Vasco como se fosse uma terra arrasada. E o Roberto Dinamite não possui nenhuma culpa, pois teve de segurar o rojão deixado pelo "Corleone". Agora, só resta juntar os cacos e preparar um novo elenco para reconquistar seu lugar na elite do futebol nacional. E a atitude do torcedor cruzmaltino que queria se suicidar depois do jogo foi descabida e sem noção. Em tudo, há vitórias e derrotas. E a vida continua. Graças a Deus, os bombeiros foram competentes para evitar uma tragédia na torcida em São Januário. Pois a tragédia no campo já estava consumada. E o Flamengo, hein?! O empate em 3 a 3 com o Goiás (após estar vencendo por 3 a 0) lhe fez falta para a classificação para a Libertadores, após ser derrotado pelo Atlético Paranaense por 5 a 3.

Por enquanto, é só. Abraços.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Sandro Gama ou Sandro "Vasco da Gama"?

Meus amigos, domingo passado, após a vitória do Vasco por 2 a 0 sobre o Coritiba, pela penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, o repórter da TV Bandeirantes Sandro Gama fez na espera da coletiva de imprensa do time cruzmaltino, com imagens cedidas por Antonio Tabet, do famoso site Kibeloco:



Agora, vem a minha opinião. Apenas duas profissões no mundo são exercidas 24 horas por dia: jornalista e médico. E, no caso específico do jornalista, além de ter de cobrir algum fato que acontece inesperadamente, mesmo em momento de folga ou férias, o jornalista tem de tomar muito cuidado nas palavras que usa, pois ele, por pertencer à Imprensa, é um formador de opinião. E tal qual, ao falar sobre algum assunto, tem que ter respeito e conhecimento acerca do mesmo. Ainda que o fato ocorrido com o Sandro Gama tenha sido antes da coletiva cruzmaltina, pegou muito mal, por ele ser um formador de opinião. Mas tem gente que vai dizer: "O Sandro não sabia que a câmera estava ligada". Não interessa! São nessas horas que os modos de se comportar tem que falar mais alto.

O jornalista esportivo não pode ter medo de revelar o time pelo qual torce. Mas tem que saber uma coisa: sendo formador de opinião, tem de tratar todas as torcidas com isenção, transparência e acima de tudo, respeito. E mais ainda se o time que cobre não é o que torce. E posso citar alguns exemplos: o repórter Sérgio Américo, hoje na Super Tupi-RJ, cobre o seu clube do coração, o Flamengo. Mas enquanto esteve na Rádio Globo, e isso por vários anos, ele cobria o Botafogo. Elso Venâncio, que foi repórter esportivo da mesma Globo por vários anos, é torcedor do Fluminense, mas cobria o Flamengo. Na Super Tupi, um exemplo disso é o Wagner Menezes, torcedor tricolor, mas há vários anos, cobre o Vasco. E o botafoguense Eugenio Leal cobria o Flu.

Então, deixo uma mensagem ao amigo jornalista Sandro Gama: sua atitude, mesmo você não sabendo que estava sendo gravado, foi absolutamente reprovável. E que isso sirva de lição para ter mais atenção em suas ações. Descontração é bom, mas desde que não haja desrespeito por alguém, como foi este caso, que causou a ira da nação rubro-negra. E olha que eu, que estou lhe mandando este recado, sou botafoguense. Mas sei que todas as torcidas tem que ser respeitadas de igual maneira.

E então, quem vence hoje o Brasileirão? São Paulo ou Grêmio? E quem vai acompenhar Portuguesa e Ipatinga na Série B? Vasco, Figueirense, Atlético Paranaense ou Náutico? Essas respostas serão respondidas a partir das 17:00, com transmissão da Top Webrádio.

Por agora, é só. Abraços e bom domingo a todos.

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Era Uma Vez na Rua do Russel

Amigos, 2008 está chegando ao fim. E quase ninguém lembrou que neste ano, mais precisamente no dia 08 de outubro, um dos maiores nomes da comunicação brasileira, se vivo estivesse, faria 100 anos: Adolpho Bloch, fundador e dono da revista, da rádio e da televisão Manchete, que marcaram gerações inteiras. Pelo menos, o diretor Rodrigo Azevedo está produzindo um curta-metragem chamado "Era Uma Vez na Rua do Russel", onde ex-funcionários das Empresas Bloch contam como era "Seu Adolpho" em vida. A seguir, trechos desse filme, que tem lançamento previsto para 2009.



Desde já, parabéns ao Rodrigo Azevedo e sua produtora, a "Falando de Cinema Filmes", por não deixar uma parte da história da comunicação no Brasil cair no esquecimento. E já estou ansioso por ver o curta-metragem completo quando chegar o dia da estréia.

Por hoje é só, amigos. Abraços a todos.